Simplesmente Baby

0 Comentários

Um livro para todas as idades

Vivaldo Bonfim é um escriturário entediado que leva romances e novelas para a repartição de finanças onde está empregado. Um dia, enquanto finge trabalhar, perde-se na leitura e desaparece deste mundo. Esta é a sua verdadeira história — contada na primeira pessoa pelo filho, Elias Bonfim, que irá à procura do seu pai, percorrendo clássicos da literatura cheios de assassinos, paixões devastadoras, feras e outros perigos feitos de letras.

 

Os Livros que Devoraram o meu Pai, obra de Afonso Cruz, «é um ritual de iniciação. Uma viagem inaugural pela literatura mundial que mergulha, em jeito de aventura, nalguns dos maiores clássicos de todos os tempos», na opinião de Céu Coutinho, no blogue Senhoras da nossa idade.

 

OSLIVROSQUE

 

A Céu escolheu uma passagem que ajuda a explicar o que é um livro para todas as idades:

 

“Sim, porque a leitura das coisas pode ter muitos andares. Soube pela minha avó que um tal Origínes, por exemplo, dizia haver uma primeira leitura, superficial, e outras mais profundas, alegóricas. Não me vou alongar por este tema, basta saber que um bom livro deve ter mais do que uma pele, deve ser um prédio de vários andares. O rés-do-chão não serve à literatura. Está muito bem para a construção civil, é cómodo para quem não gosta de subir escadas, útil para quem não pode subir escadas, mas para a literatura há que haver andares empilhados uns em cima dos outros. Escadas e escadarias, letras abaixo, letras acima.”

 

Para ler em família, geração após geração.

 

0 Comentários

O bebé André, por Ana Pratas

Para começarmos a semana com uma boa dose de ternura, trazemos-vos uma sessão de família, fotografada pela Ana Pratas, que captura alguns momentos absolutamente deliciosos entre o bebé André e os seus pais, perdidinhos de adoração por ele.

Conta-nos a Ana: «Esta família recebeu-me em sua casa de braços abertos e foi lá que fizemos estas fotografias. O André estava muito bem-disposto e está naquela idade gira em que já sorri muito e começa a fazer umas expressões muito engraçadas.»

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

«Foi uma tarde muito bem passada e foi um prazer fotografar mais uma família feliz», conclui a Ana.

 

0 Comentários

À volta da mesa: bolo de agrião e azeite

Hoje, à nossa mesa, celebrando o regresso à escola, temos a simpática Teresa, do bonito Lume Brando.

Audaz, traz-nos um bolo verdinho para o lanche!

 

“Com o regresso às aulas, recomeçam muitas rotinas, tais como a preparação das mochilas e dos lanches. Uma fatia deste bolo de agrião na lancheira dos mais novos, nesta semana que é para muitos de nervoso miudinho, é um mimo colorido e saudável, que promete surpreender muitos colegas!”

 

 

 

 

 

 

Bolo de agrião e azeite

 

os ingredientes:

4 ovos;
150 g de agrião (1 embalagem);
140 ml de azeite virgem extra (usei Gallo Frutado);
2 chávenas* mal cheias de açúcar amarelo;
2 chávenas* de farinha;
1 colher de sobremesa de fermento;
açúcar em pó (opcional).

*250 ml de capacidade
 

 

a receita:

Pré-aquecer o forno nos 180º.
Untar com manteiga e polvilhar com farinha uma forma de buraco (ou outra).
Num robot ou processador de alimentos, triturar os agriões juntamente com as gemas e o azeite.
Juntar o açúcar e bater mais um pouco.
Transferir para uma taça grande e adicionar a farinha e o fermento.
Bater as claras em castelo e juntar ao preparado anterior.
Levar ao forno cerca de 50 minutos ou até um palito sair seco do seu interior.
Retirar, esperar alguns minutos e desenformar com cuidado.
Deixar arrefecer totalmente e, antes de servir, polvilhar com açúcar em pó.

 

 

Isto parece-me tudo muito apetitoso, e a vocês?

 

Para acompanharem as deliciosas receitas da Teresa, visitem-na no Lume Brando, e se quiserem deixar-lhe um olá, passem pela página do Facebook!

 

 

0 Comentários

Vamos todos à procura do ‘nosso’ Panamá?

Descobri os livros de Janosh na biblioteca. O autor, que vive actualmente em Tenerife, nasceu na Polónia em 1931. Depois das dificuldades da II Guerra Mundial, a sua família mudou-se para a Alemanha Ociedental e, entre trabalhos fabris, Horst Ecker (o seu nome verdadeiro) estudou Belas Artes. Em 1960 foi publicado o livro infantil com que iniciou a sua trajectória artística e literária, que soma mais de 300 obras traduzidas para 70 línguas, e pelas quais recebeu inúmeros prémios.
A sua fama internacional deve-se a “Oh, que lindo que é o Panamá”, publicado em 1978, que chegou a Portugal pela Kalandraka, com tradução de Maria Hermínia Brandão.

 

port C

 

A vida de um ursinho e de um tigrezinho sofre uma reviravolta quando aparece a boiar no rio uma caixa proveniente do Panamá e que cheira a bananas. A partir desse momento, o Panamá torna-se no país dos seus sonhos e por isso decidem empreender uma longa viagem para lá chegar. Com uma panela vermelha, um anzol e um patotigre de brincar, iniciam uma caminhada ao longo da qual conhecerão um rato do campo, uma velha raposa, uma vaca, uma lebre, um ouriço-cacheiro e uma gralha.

 

Com umas ilustrações alegres e coloridas, clássicas e planas, esta intimista narrativa de Janosch, atravessada por um rasgo sentimental de inocência e optimismo, transporta-nos numa viagem cheia de humor e de ternura, e culmina num final inesperado que encerra uma bela lição de vida. Para todas as idades.

 

Afinal, não andamos todos nós à procura do ‘nosso’ Panamá?

0 Comentários

I’m in love

A Joana Bandeira foi desafiada pela Our Sins para pensar numa peça de joalharia Lovelab, algo que se pudesse usar em qualquer ocasião e que transmitisse bem o seu gosto pessoal.

 

lovelab1

 

lovelab2

 

Assim nasceu este delicado fio em prata (que pode ser prateada ou dourada), com cerca de 42 cm, e que está à venda por um preço especial para os fãs do Lovelab. Aproveitem a oportunidade, basta enviar um email à Joana.

 

0 Comentários

Regresso à escola

Adorável, esta secretária à moda antiga… eu ainda andei numa escola com mesas destas, que nem se mexiam, de tão pesadas, ainda com os buracos para os tinteiros e espaço para os aparos…

Fofíssima, é da El Osito Azul, uma marca espanhola e encontreia-o no Mi casa revista.

 

0 Comentários

Adoráveis guardiões, pelo Plano B

Os anjinhos do Plano B estão por todo o lado. São fofos e reconfortantes e fazem-nos sentir verdadeiramente protegidos. A Carmen tem o condão de pegar neles e colocá-los nas mais diversas funções, uma verdadeira comandante deste exército de adoráveis guardiões.

 

Eles são marcadores de mesa e de livros, cake toppers, quadros, convites, lembrancinhas para os convidados da festa, velas, t-shirts e todo um mundo de versões. Intacta, sempre, a sua missão de tomar conta dos nossos pequenotes.

 

planoB6

 

PlanoB5

 

planoB2

 

planoB4

 

planoB1

 

Acompanhem o trabalho do Plano B no site e na página do Facebook e não hesitem em  apresentar as vossas sugestões à Carmen. Há imensos possíveis anjinhos à vossa espera!